Movimento Twitterário #6

evangelista

David Letterman entrevista Evangelista de Morais,

especialista em Mídias Sociais

Por @gravz

Começa o Programa

LETTERMAN: E hoje, como anunciado, teremos aqui o brasileiro Evangelista de Morais, especialista em Mídias Sociais, que revolucionou praticamente todo o mundo por meio de seu Twitter! Uma salva de palmas!

(palmas e gritos, Evangelista vai ao sofá e a música para)

EVANGELISTA: Boa noite, David. Agradeço a você por ter aprendido português apenas para me entrevistar. Valeu por considerar minha meritocracia. Mas, ainda assim, fico um pouco constrangido com seu sotaque.

LETTERMAN: Desculpe, tentarei corrigir o acento novaiorquino. A babá do caçula é de Governador Valadares, aí complica…

EVANGELISTA: Ah, também peço que não faça piadas, pois se houver chacotas com minha pessoa, você sabe, eu o ponho na lista negra das grandes agências. Comecemos a entrevista.

LETTERMAN: Sim, claro. Aviso aos telespectadores, inclusive, que não faremos comerciais. Todos os três bilhões de seguidores de Evantelista no Twitter estão acompanhando o programa e, como combinado, usarão hashtags e afins para divulgar…

EVANGELISTA (interrompendo): E vale lembrar que isso é mais relevante do que uma simples propaganda em horário nobre. Quando criei a #chegadechuvisco, por exemplo, houve estiagem por três meses em plena época de monções na Planície do Laos. E ainda há quem duvide do poder relevante das Mídias Sociais na modificação do “status quo” do Planeta. Mas prossiga…

LETTERMAN: Então… Como o senhor começou a carreira?

EVANGELISTA: Tinha um blog no qual publicava textos de minha autoria, piadas repassadas por e-mail e, vez por outra, alguns gracejos fotográficos. Até que surgiu o Twitter e as coisas mudaram muito para mim.

LETTERMAN: Como assim?

EVANGELISTA: Rapidamente, ganhei um número muito grande de seguidores. Hoje, você sabe, tenho mais de três bilhões. Mas, voltando ao começo, as agências me chamavam para alguns eventos, na época denominados “ações”, e eu ia, claro. Até que, basicamente, isso passou a fazer parte da minha rotina, de modo a ser, basicamente, tudo que faço.  Percebi meu poder de persuasão e influência quando, após um tweet numa dessas “ações”, uma empresa recebeu vinte e sete mil e quatrocentos pedidos de uma chocadeira elétrica.

LETTERMAN: Impressionante. E há mais casos, presumo…

EVANGELISTA: Sim, um exemplo é o “Porto Cai na Rede”. Roubei essa idéia, porque é fácil fazer em Porto de Galinhas, mas com minha influência lancei o “Carapicuíba Cai na Rede”, com a participação de alguns tuiteiros, além de mim. Resultado: a cidade é hoje o maior polo turístico do Hemisfério Sul. Só para o lançamento da ação, construíram três resorts. Mas agora já são mais de trezentos estabelecimentos, entre hotéis, restaurantes e até uma praia artificial com piscina de ondas e peixes sintéticos.

LETTERMAN: Houve um casamento, né?

EVANGELISTA: Não, isso é para amadores. No nosso, fizemos parto e batizado. Contratamos dois blogueiros – eles nem se conheciam direito! – e fizemos com que tivessem um filho. Ganharão fraldas descartáveis por três anos! Bom, lá mesmo o menino nasceu, com patrocínio do recém-inaugurado hospital maternidade e, dias depois, foi batizado pela Igreja Internacional do Poder de Deus, do nosso querido amigo Pastor Silas – o dízimo está pago por vinte e seis anos, com juros e correção. Quer mais o quê?

LETTERMAN: E na política?

EVANGELISTA: O Presidente Eymael só conseguiu ganhar a eleição por conta de nossa campanha #democratacristao – abarcada, obviamente, por praticamente todos os brasileiros. Nem mesmo a inusitada chapa Serra/Dilma foi páreo. Lamento não ter participado mais de sua campanha, porque também me dediquei ao #Levyaerotrem para o governo de São Paulo e ao #Mallandroguanabara para o Rio de Janeiro. Levamos todas. Política sempre me interessou muito.

LETTERMAN: Mas seu foco é o mundo corporativo.

EVANGELISTA: Sim, sem sombra de dúvidas. Meus tweets interferem na geopolítica, no índice Dow Jones, na cura do câncer, nas marés e, inclusive, já fiz com que voltassem quatro ou cinco batidas de pênalti porque deu pra ver claramente que o goleiro estava adiantado – fora que, você deve saber, fazer “paradinha” é uma tremenda sacanagem.

(horas depois)

LETTERMAN: Falamos aqui sobre toda sua relevância, viagens – Baixada Fluminense, Itapecerica, Ceilândia etc. –, brindes, tantas coisas. Mas, desculpe, talvez pareça invasivo…

EVANGELISTA: (interrompendo) Ora, vamos lá, pergunte!

LETTERMAN: Quanto você ganha, em grana? Dinheiro, mesmo.

EVANGELISTA: Bem lembrado. Queria fazer um apelo aqui, agora para sua pequena audiência, sobre algo que venho repetindo aos meus três bilhões de seguidores: não deflacionem o mercado! Não se escravizem. É ridícula a idéia de criar um sindicato, mas, por favor, não façam divulgações por duzentos ou trezentos reais! Pelo amor de Deus – e olha que sou ateu (cobra risadas, olhando feio para a plateia).

LETTERMAN: Bom, mas…?

EVANGELISTA: Quinhentão. Nunca por menos. Mas quando pedem pra eu escrever, aí subo um pouco o cascalho. Tem que valorizar a categoria, né?

(agora, sim, a plateia ri)

LETTERMAN: Então, é isso. Conversei com Evangelista de Morais…

EVANGELISTA (interrompendo): O maior especialista em Mídias Sociais. Boa noite.

4 Responses So Far... Leave a Reply:

  1. Zé Coxinha disse:

    uahuhauha, perfeito. É o retrato da twittosfera brasileira.

  2. Richard disse:

    Quem é esse José Evangelista? Digo, Evangelista de Jesus?
    hahaha!
    Criatividade não faltou aí!

  3. Jess disse:

    HAUHAUHAUHAUHAUHA fifitififiti hein Evangelista?

    Morri com os coments..hahahhaa… O pior é que tem mta gente por aí olhando para o twitter dessa maneira, como se fosse o centro do universo.

  4. Caronella disse:

    HAHAHAHA
    Só consigo rir, criativo demais!