Movimento Twitterário #9

telemarketing2

Irritando e tuitando

Por @raphaelcrespo

Aquele galpão de uma antiga fábrica de calçados do subúrbio está no auge de sua lotação. São nada menos que 250 baias, cada uma com um terminal, onde se revezam, 24 horas por dia, jovens recém-ingressados no mercado de trabalho e outros que, por falta de maiores qualificações, um dia atenderam a um anúncio publicado num jornal popular que prometia: “Oportunidade! Mais de 400 vagas! Não necessita experiência prévia”.

É o call center da Teleclarim, uma das maiores operadoras de telefonia, fixa e móvel, do país.

Pausa para o xixi.

Dois a dois, os operadores de telemarketing correm para o banheiro, mesmo que não tenham uma gota sequer de urina na bexiga. Precisam aproveitar os dois intervalos diários de cinco minutos para as necessidades fisiológicas.

- Cara, que trabalho de merda! Essa porra de supervisor não sai do meu cangote! – diz Osmar Fernando, sentado no vaso sanitário de uma das cabines.

No mictório ao lado, Nilmar Orlando concorda:

- Pode crer! Mas, pelo menos, é um trabalho honesto. O que mais tem por aí é  vaga nessa área. Sem emprego a gente não fica, amigo.

- Ah, com certeza. Pelo menos isso! Cara, só tô aqui pra pagar faculdade, porque meus pais nem pedem que eu ajude em casa… Ih, rapaz, meu cronômetro parou em três minutos e vinte e oito segundos!!! Vamos correr, senão somos descontados! A gente já tá atrasado pra voltar pro terminal! – preocupou-se Osmar Fernando, enquanto suspendia a calça após mais uma rápida e infrutífera tentativa de se livrar da prisão de ventre de fundo nervoso.

Em sua implacável planilha de controle, o supervisor carrasco contabilizou, pela segunda vez no mês, um atraso de ao menos 20 segundos de Osmar Fernando na volta do intervalo. Na terceira já seria a hora de chamar o funcionário para uma conversa.

Naquele mesmo dia, após o expediente, já na faculdade onde cursava jornalismo, Osmar Fernando deu de cara com um amigo que trazia uma revista na mão:

- Fala, maluco! Olha aqui! Lembra que eu te falei do Twitter? Tá na capa da Época!

- Tô ligado, cara. Esqueceu que eu já estou lá? Só que ainda não tive muito tempo de explorar. Pra te falar a verdade, do pouco que vi, não entendi pra que serve. Outro dia, por exemplo, vi você falando que estava “indo ao banheiro”. Porra, ultimamente eu nem tenho conseguido cagar! Pra que eu quero saber que um amigo meu está indo no banheiro?

De qualquer forma, Osmar Fernando pegou a revista, deu uma rápida folheada e a pediu emprestada para ler com mais calma.

Já em casa, após tomar sua já habitual e inútil vitamina de mamão com laxante, Osmar Fernando foi para o banheiro e leu toda a Época. Ainda absolutamente constipado, saiu e trancou-se em seu quarto, como de costume. Ligou o computador e, dessa vez, não navegou no Orkut, um de seus grandes prazeres na internet. Resolveu explorar o Twitter.

Varou a madrugada adicionando perfis e começou a ver sua timeline encher com as tuitadas de seus followings. Até que, num determinado momento, uma retuitada de um deles chamou sua atenção:

marcelojornalista RT @TeleclarimFDP Filhos da Puta! É tanta cobrança errada da #Teleclarim, que tô quase ligando pro 190, em vez do 0800.

10:27 PM Apr 2rd from web

Ao clicar no @TeleclarimFDP e ler todo o conteúdo postado, o operador de telemarketing percebeu que seu perfil @osmarfernando ganharia um papel secundário. Surgiu a idéia de uma nova identidade. E assim nascia o @SACanaTeleclarim.

SACanaTeleclarim Se estou aqui tuitando, é porque estou longe da chibata do supervisor carrasco do call center da #Teleclarim.

3:45 AM Apr 3rd from web

SACanaTeleclarim Vocês acham que a #Teleclarim trata mal seus clientes? É porque ainda não viram a masmorra onde trabalhamos.

3:57 AM Apr 3rd from web

As primeiras tuitadas de seu alterego já davam indícios da sede de vingança de Osmar Fernando, que, ao prencher a Bio do novo perfil, escreveu: “Atendente de telemarketing da Teleclarim = Escravo”

Não custou muito para o @SACanaTeleclarim começar a ser seguido por milhares de insatisfeitos. Um universo pequeno, se comparado aos mais de 34 milhões de clientes da empresa. A dupla formada com o @TeleclarimFDP começou a fazer barulho. Osmar Fernando falava dos bastidores do S.A.C. e o perfil parceiro publicava denúncias diversas. Além disso, a hashtag #Teleclarim passou a frequentar as primeiras posições do Blablabrá.net, quase sempre de forma negativa e acompanhada da já clássica #EuOdeioATeleclarim.

Mas nem todo o buzz gerado contra a Teleclarim acabou com os dois principais problemas de Osmar Fernando: ele ainda tinha que passar seis horas infernais de seus dias atendendo reclamações dos clientes insatisfeitos da empresa e a prisão de ventre continuava.

Na sede principal da Teleclarim, o presidente da empresa aproveita o raro horário de almoço livre dos negócios para, em sua luxuosa sala, acessar sites pornográficos e chats de sexo. Pai de uma menina de 19 anos de idade; dois garotos, de respectivamente 23 e 15, e casado há 31 anos, Carlos Alberto Rochemback de Oliveira tem um passado impune e muito bem coberto de putaria em suas costas.

O telefone toca:

- Senhor Carlos Alberto, seu filho na linha dois – informa a secretária.

- É urgente?

- Ele não disse, senhor. Quer que eu peça para ele ligar mais tarde?

- Não! Passa logo isso aí, vai!

Era o filho mais velho.

- Oi, Júnior. O pai tá muito ocupado, agora. Muito, mesmo. É urgente?

- Não, pai. Nada demais. É que eu andei lendo umas coisas meio ruins sobre a Teleclarim no Twitter…

- Triter? O que é  isso?

- Não, pai! TU-Í-TER! Eu falei sobre isso contigo aqui em casa, outro dia, no jantar.

- Ah, tá! Dá pra ver fotos nesse Triter?

- Hein? Como assim?

- Nada, não! Deixa pra lá. Filho, preciso desligar! O pai tá muito ocupado, mesmo.

Rockembach olha para a tela e vê que a MoreninhaPerva19 já não mais desfilava seu corpinho de adolescente diante da webcam. Solta alguns palavrões e quase se arrepende de ter colocado Júnior no mundo.

Não era recente a relação virtual entre o presidente da Teleclarim e Alessandra. Estudante de administração, filha de uma família de classe média, na Zona Norte do Rio de Janeiro, a bela morena, recém-saída da adolescência, gostava de provocar o alto executivo, a quem já conhecia por fotos de jornais e pelos próprios bate-papos pela webcam. Ele a encontrara por acaso. Ambos haviam criado e-mails alternativos e trocavam textos com as mais cabeludas perversões imagináveis. Alessandra, no entanto, nunca havia mostrado seu rosto.

“From: Moreninha Perva 19

Date: 2009/04/08

Subject: Motel

Para: Gostosão Grisalho

Como combinamos, é amanhã que eu vou dar pra você, meu gostosão! Se prepara, porque eu vou dar tudo! Vamos marcar naquele motel da rua Hadock Lobo, na Tijuca. Eu moro pertinho. Você chega, se hospeda e depois me manda um e-mail pelo I-Phone, com o número do quarto. Vou ficar ligada na internet a partir das 14h. Assim que o e-mail chegar, eu corro para ser toda sua. E você vai ver meu rostinho de princesa.”

O e-mail chegou logo após Rochemback quase tirar seu filho mais velho do testamento. E deixou o presidente da Teleclarim mais calmo. Certo de que teria a transa dos sonhos, o executivo tratou de desmarcar seus compromissos agendados para a tarde do dia seguinte e resolveu, finalmente, trabalhar naquele dia.

Em sua mesa, um relatório da assessoria de imprensa falava do Twitter, prevendo uma possibilidade de crise para a empresa, uma vez que os serviços da Teleclarim vinham sendo muito criticados na ferramenta de microblogging. Na mesma hora, ele se tocou e ligou para o filho.

- Júnior, desculpa, meu filho. O pai realmente estava ocupado, agora há pouco. O que você tinha me falado sobre esse tal de Twitter, mesmo?

- Tudo bem, pai. Então, eu estou no Twitter há algum tempo. E é impressionante o que vejo de gente falando mal da empresa.

- Pois é, meu filho. Acabei de receber um relatório da minha assessoria de imprensa falando desse tal de Twitter, mesmo! Vamos processar essas pessoas!

- Não, pai! Não faz isso! É pior.

- Que pior, o quê? Vou consultar meu departamento jurídico.

- Pai, não faz isso! Se você entrar numa de processar, vai ser pior para a empresa. A internet é território livre!

Sem ter lido o relatório direito, Rochemback não levou o Twitter tão a sério e decidiu mandar a assessoria monitorar por mais alguns dias e propor uma ação para gerenciar a crise. Enquanto isso, buscava endereços de sex shops. Queria levar alguns apetrechos para o encontro do dia seguinte.

Da janela do apartamento onde mora, no primeiro andar, Alessandra via a entrada do motel no outro lado da rua. Por volta das 13h, a jovem preparou uma filmadora e começou a testar, pegando placas de carros e os rostos dos motoristas que entravam e saiam. As imagens eram nítidas o suficiente. Uma hora depois, era a placa traseira do carro de Rochemback que a câmera focalizava.

“From: Gostosão Grisalho

Date: 2009/04/09

Subject: Re: Motel

Para: Moreninha Perva 19

Tô  aqui, minha gostosa! Quarto com hidro e tudo mais que temos direito. É o 765.”

Alessandra demora um pouco e, finalmente, responde:

“From: Moreninha Perva 19

Date: 2009/04/09

Subject: Re: Re:Motel

Para: Gostosão Grisalho

Meu tesão! Sujou! Minha mãe chegou em casa, não tenho nem como inventar uma desculpa e sair. Vamos ter que deixar pra outro dia! Não fica chateado comigo, não, tá? To doidinha de vontade de dar pra você.”

Rochemback respondeu, dizendo que continuaria a “esperar pacientemente para sentir esse corpo moreno delicioso” e chegou a pensar em ligar para um serviço de acompanhantes para pedir uma “moça delivery”, mas resolveu sair e adiantar algumas coisas em seu escritório.

Na saída do motel, o flagra foi maior. Alessandra conseguiu pegar a placa do carro e o rosto de Rochemback ao volante.

Em pouco mais de 40 minutos no Movie Maker, a jovem editou um vídeo, que mostrava imagens do executivo se masturbando para ela na webcam, inclusive com momentos em que, no auge da excitação, ele revelava um pouco do rosto. O suficiente para identificá-lo. No mesmo vídeo, Alessandra mostrou os e-mails que trocou com o “Gostosão Grisalho” e a entrada e saída de Rochemback do motel. Seu único cuidado foi embaçar a imagem nos momentos em que o coroa pervertido mostrava o seu “PowerDick”, como ele chamava o próprio pênis nos papos com a “amante virtual”.

Após mais um dia duro, com estresse no trabalho e aulas maçantes na faculdade, Osmar Fernando chegou em casa e encontrou um bilhete de sua irmã, que havia saído com o namorado: “Preparei um presente para você. Entra no seu e-mail.”

“From: Alessandra Cristina da Costa

Date: 2009/04/09

Subject: Solte a fera que há dentro de você

Para: Osmar Fernando da Costa

Mano,

Abre esse vídeo que está em anexo. Subi pro YouTube, mas não tuitei pra não te comprometer.

Dei sorte de esbarrar com esse cara na web e tenho a impressão de que posso estar te dando um grande presente.

Usa a influência do @SACanaTeleclarim e seja feliz!

Deixei o jornal de hoje pra você no banheiro.

Te amo!!!

Beijocas da Mana!

Ale”

Surpreso, Osmar Fernando terminou de ver o vídeo e, com um sorriso no canto da boca, correu para o banheiro. Ao voltar, com a sensação de estar uma tonelada mais leve, sentou-se diante do computador e, a partir de uma única tuitada, levou as hashtags #Teleclarim e #PresidenteTarado, respectivamente, ao primeiro e segundo lugares do Trending Topics mundial.

3 Responses So Far... Leave a Reply:

  1. [...] Alguns meses atrás, tive o prazer de embarcar @Na_Kombi, um perfil coletivo de humor da @revista_M no Twitter, para falar sobre telemarketing. Depois, foi convidado pelo Ulisses para escrever para um outro projeto muito legal da revista, o Movimento Twitterário. Custei, mas tive o prazer de escrever. E hoje estou lá: “Irritando e tuitando”. [...]

  2. Rafa Vitoriano disse:

    Rapha, parabéns pelo texto!

    Tô rolando de rir. Abs!

  3. Wendell disse:

    Cara, que texto sensacional!! haha, muito bom, morri de rir aqui. E ainda deixa uma liçãozinha, o que é bem bacana :P