Fugiro Nakombi

Por coincidência, no dia em que lançamos o projeto Na_Kombi, no Twitter, nosso colaborador Roberto Cunha, do Adoro Cinema, nos manda um comentário sobre uma notícia envolvendo uma kombi:

06 de Abril e o Rio de Janeiro continua lindo. Mesmo com todas as mazelas e seqüelas, a cidade maravilhosa segue seu rumo. Para onde, não se sabe. Começa mais uma semana e outro reboque do Detro (Departamento de Transportes Rodoviários), que faz a fiscalização do transporte coletivo, foi atacado por homens armados para libertar uma Kombi apreendida por fazer transporte pirata na tradicional rua Carolina Machado, em Madureira. Mas duro mesmo é saber que este é o segundo caso em menos de um mês. Ou seja, está virando uma coisa normal. É o faroeste caboclo. O mais louco da história é que a Kombi ilegal foi resgatada por bandidos e o caso foi registrado como roubo 39ª DP (Pavuna). Os homens armados mantiveram o motorista do reboque sob a mira, enquanto o veículo era salvo. Agora, além de autuado por transporte irregular, passará a constar do cadastro nacional de veículos roubados. A placa AQQ-8649 era de São José dos Pinhais, no Paraná. Mas péra lá!!… Então os donos podem entrar como uma ação contra o Estado, já que o veículo estava sob sua custódia a caminho do depósito público?! Parece até aquele trocadalho do carilho com “nomes de orientais” dos tempos de criança, com a devida adaptação: “Saltaro Reboki, Fugiro Nakombi, Polissa Tadôda, Procura Noacha”.

É, Roberto. Mais coisas podem acontecer no ramo do transporte ilegal do que supõe a nossa van filosofia.